25-07-2018 - 16:49

Atuação das Câmaras Mirins da Acanor é referência para a região

Uma comitiva de representantes da Associação das Câmaras do Oeste de Santa Catarina (Acamosc), de Chapecó, integrada pelo secretário da entidade, Eloi de Oliveira Siarpinski, e as vereadoras Marlise Warmling, de Saudades, e Silvana Maria Battisti Bugnotto, de Pinhalzinho, visitaram a Câmara de Vereadores de São Lourenço do Oeste na tarde do dia 24 de julho, objetivando conhecer a atuação da Câmara Mirim lourenciana, assim como as demais que integram a Acanor, uma vez que tiveram conhecimento de que na região o Programa Parlamento Jovem tem sua funcionalidade de modo eficiente e exemplar.

Os visitantes foram recepcionados e acompanhados pelo secretário da Câmara e da Acanor, Éderson Hermann, que detalhou todo o processo de conscientização, de formação e o funcionamento do programa, destacando que o trabalho inicial envolve mais questões culturais, tendo em vista que é preciso uma grande parceria, envolvendo a vontade política, dos vereadores, o apoio da equipe de servidores da Câmara e a adesão das escolas.

Em relato os visitantes expuseram que em sua região infelizmente o programa não tem tido êxito, algumas Câmaras criaram, mas não se teve continuidade, o que lhes chamou a atenção, pois na região da Acanor todos os municípios que possuem Câmara Mirim têm seu desenvolvimento contínuo e de forte atuação.

Éderson expôs que na região da Acanor os trabalhos da Câmara Mirim são coordenados pela equipe de servidores, sem envolvimento ou apadrinhamento de vereadores, que são agentes políticos, e que em sua experiência e conhecimento de outras regiões, normalmente quando os servidores da Casa não se envolvem, deixando para os vereadores ou pessoas fora do quadro da Câmara realizar os trabalhos, a tendência é a não continuidade. Ressaltou que esta atividade deve ser eminentemente conduzida pelos servidores de carreira, e sem qualquer direcionamento ou vínculo político/partidário, devendo, ainda, ser automaticamente de caráter continuado, não vinculando a mandato da Mesa Diretora ou mesmo dos vereadores.

Marlise, presidente do Fórum da Mulher Vereadora da Acamosc, falou que buscou junto à Escola do Legislativo [da Alesc] informações, e foi orientada a buscar subsídios em São Lourenço do Oeste que é um município que já tem o programa há bastante tempo, tem experiência bem sucedida, e próxima da região.

Já a vereadora Silvana, ex-presidente da Acamosc, disse que foi muito importante e produtiva a visita e voltam para casa motivada, e com a certeza que da mesma forma farão com suas equipes para alavancar a ideia e implantar com força o Parlamento Jovem em seus municípios.

            Ressaltou ainda a vereadora Silvana “nós temos esse compromisso perante a sociedade de criar programas dessa forma, e esse vem de encontro da formação de líderes. Nós estamos com uma carência de líderes. Veja, quando chega à época de eleição não se tem pessoas aptas a se candidatar, ninguém quer todo mundo tem uma aversão à política. Então, nós enquanto legisladores o que estamos fazendo para reverter esse conceito? Esse programa vem de encontro a isso, mostrar que nós necessitamos da política, nós vivemos para ela, por ela, é a nossa forma democrática”, defendeu Silvana.

Para a vereadora de Pinhalzinho, o Parlamento Jovem pode representar uma ponte com a sociedade. “O Legislativo precisa se aproximar da sociedade. Tá muito distante. Não é um Poder que tem que estar distante. É um poder do povo, para o povo. Somos representantes do povo, mas tem uma barreira que nos impede de chegar até ele porque falta esse tipo de coisa, programas de aproximação”, concluiu.

Na ocasião a comitiva conheceu a estrutura da Câmara, que também é sede da Acanor - Associação de Câmaras Municipais do Noroeste de Santa Catarina, além dos demais programas que o Legislativo Lourenciano desenvolve: Acervo de Memórias; Espaço Cidadão e o Conheça o Legislativo.